Compota de Frutos Silvestres com Anis e Canela

P1110452_Fotor

Irresistível Mistura traz uma receita para quem gosta de acompanhar tostas, pães e queijos com doces.

Compota é um tipo de conserva feita com frutas ou vegetais cozidos inteiros ou em pedaços com açúcar, que ferve até adquirir a consistência de puré. Diferencia-se dos doces que são cozidos mas não se desfazem; e ainda das geléias em que se aproveita o líquido da fruta ou do vegetal depois de coado. Já uma conserva serve para preservar a fruta inteira em uma calda açucarada, tal como encontramos nos enlatados dos supermercados. A marmelada e a goiabada são feitas a partir do cozimento da fruta e do açúcar em partes iguais, até adquirir uma consistência em que depois de arrefecidas, solidificam. Isto é possível porque o marmelo e a goiabada são frutas com grande quantidade de pectina.

P1110464_Fotor1

Pectina é um polissacarídeo com forte poder gelificante quando combinado com açúcar. Trata-se de um agente espessaste muito utilizado na indústria alimentar. Assim, durante o cozimento, a fruta ou o vegetal sofre uma modificação na sua estrutura química de modo ajudar a pectina unir-se ao açúcar, criando o gel que a conserva.

compota

O açúcar prolonga a vida dos produtos alimentares porque diminui a disponibilidade de água para o crescimento microbiano. No caso das compotas e doces em geral, para além do açúcar, existe ainda o tratamento térmico. É importante ainda, para a conservação da compota, que o frasco esteja bem limpo e desinfectado, isso fará que a compota tenha muito mais tempo de conservação.

P1110456_Fotor

Ingredientes:

650g Frutos silvestres

400g Açúcar branco

Sumo de meio limão

1 Pau de canela

1 Anis estrelado

P1110468_Fotor

Preparação:

Juntar todos os ingredientes.

Levar ao lume (médio/brando) por 30 minutos.

Colocar em frascos e refrigerar.

Neste caso foram usados um misto frutos silvestres congelados com amora, groselha vermelha, morango, mirtilo, framboesa e groselha preta.

Outra técnica que recomendo é utilização de um infusor/saco de metal para chás para colocar o anis e o pau de canela em pedaços. Assim, não será preciso ficar a procura do pau de canela, nem do anis na compota e também não terá pedaços desfeitos desses ingredientes.

Esta receita está disponível também em Umbigo Magazine.

P1110450_Fotor

Bom proveito!

Anúncios

Mousse de Queijo de Azeitão

P1110494_Fotor

Uma mistura improvável, mas que resulta perfeitamente. O sabor forte do queijo de Azeitão com doce e uma consistência de dar água na boca.

O queijo de Azeitão é um queijo produzido na região que o denomina, no distrito de Setúbal. Trata-se de um queijo produzido nos concelhos de Setúbal, Palmela e Sesimbra com denominação de origem protegida de acordo com as normas da União europeia (o nome de um produto cuja produção, transformação e elaboração ocorrem numa área geográfica delimitada com um saber fazer reconhecido e verificado).

O queijo de Azeitão tem pasta mole, com cerca de 20 dias de cura, com forma cilíndrica em que o peso varia entre os 100 e os 250 g, é comum encontrá-los a venda envoltos em papel vegetal.

P1110476_Fotor

Ingredientes

400g natas (2 pacotes)
6 gemas
395g leite condensado (1 lata)
85 g queijo de Azeitão
3 folhas de gelatina

P1110503_Fotor

Preparação

Colocar a gelatina de molho em água fria.

Bater levemente as natas.

Em outro recipiente bater as gemas com o leite condensado e o queijo, cerca de 3 minutos.

Juntar as natas à mistura de queijo.

Dissolver a gelatina em água quente e juntar ao preparado anterior.

Dissolver bem. Caso permaneçam bocados de queijo, passar rapidamente pela varinha mágica.

Levar ao frigorífico por algumas horas (3-4 horas) até que adquira uma consistência bem cremosa.

Servir com crumble de canela ou com uma compota*.

P1110477_Fotor

Para o crumble de canela:

Ingredientes

100g farinha de trigo
50g açúcar
50 g manteiga
Canela em pó q.b.

P1110498_Fotor

Preparação

Juntar todos os ingredientes e misturar com as mãos até ficar homogéneo e com uma textura de “bolinhas”.

Espalhar sobre uma forma.

Levar ao forno a 180ºC durante cerca de 15 minutos.

Reitrar do forno e decorar a mousse.

Delicie-se!

Esta receita também está disponível em Umbigo Magazine – Irresistível Mistura por Daiane Lopes.

*Na próxima semana será publicada uma receita de compota de frutos silvestres com canela e anis. Fique atento.

P1110488_Fotor

Pizza com molho de Tomate assado, Beringela, Mozzarella e Manjericão 

sem título-211

It’s pizza time!

Pizza é um prato muito conhecido, que pode ser feito de diversas maneiras, misturando sabores e ingredientes de que mais gostamos. Habitualmente, a base de farinha fermentada é coberta com molho de tomate e com ingredientes variados, como queijo e ervas. Para além de ser um prato muito popular, é também de fácil confecção.

Trazemos hoje uma receita cheia de sabores e criatividade. Desta vez, Daiane Lopes une forças com Megan Melling que também publicita seu trabalhos em Mel’s Vittles. Trata-se de uma receita fácil e simples, mas que requer dedicação.

Embora seja muito fácil ter pizza a qualquer hora, seja por telefone ou congeladas nos supermercados, o que poucas pessoas sabem é que uma pizza feita em casa, desde a massa ao molho de tomate, proporciona um sabor completamente diferente, pois é simplesmente muito mais delicioso.

Nesta pizza vamos fazer a massa, o molho de tomate assado e dar o sabor principal de beringela e manjericão fresco.

Mãos na massa!

sem título-1910_Fotor

Ingredientes:

Para a massa: 

200g Farinha de trigo sem fermento
7g Fermento de pão (levedura)
110g água morna
30g azeite
Sal q.b.

Para o molho:

1kg de Tomates maduros (preferencialmente coração de boi)
Alecrim fresco q.b.
150g Pimento verde
220g Cebola
25g Alho seco (4 dentes)
5g Açúcar (1 colher de sobremesa)
Azeite q.b.
Sal q.b.

Pimenta preta q.b.

Manjericão fresco q.b.

Para a cobertura:

200g Queijo Mozzarella
300g Tomate Cherry
200g Beringela
Manjericão fresco q.b.
Oregãos q.b.

pizza

Preparação:

Massa:

Juntar a farinha, o fermento, a água e o azeite e amassar com as mãos ou com a batedeira (com as pás de massas pesadas) cerca de 5 minutos. Acrescentar o sal e bater mais 1 minuto.

Deixar descansar cerca de 1 hora.

Molho:

Cortar os tomates ao meio, polvilhar com sal, pimenta preta e alecrim, assar por 50 min a 160ºC.

Refogar a cebola, o pimento e o alho, em azeite, até alourar.

Juntar os tomates assados.

Temperar com manjericão, sal, pimenta e açúcar (para diminuir a acidez do molho).

Passar o molho por um processador de alimentos e em depois pela peneira (esta última etapa não é necessária se utilizar bimby).

Montagem:

Esticar a massa e levar a pré cozer durante 5 minutos a temperatura máxima, 250ºC.

Colocar o molho de tomate sobre a massa e por cima, o queijo.

Cortar a beringela em rodelas finas.

Intercalar a beringela, tomate cherry e manjericão fresco sobre a pizza.

Polvilhar com oregãos.

Levar ao forno até que o queijo fique dourado, cerca de 10 minutos

Esta receita serve 4 pessoas.

Delizioso! Buon Appetito!

Atum em crosta de Sésamo e molho Mel e Mostarda

DSC05038_Fotor

Mais uma receita ideal para o verão: lombo de atum fresco com uma mistura saborosa agridoce de mel e mostarda.

Esta receita é muito simples, rápida e fácil. O segredo está em encontrar um bom lombo de atum. Portanto, vá ao mercado ou a peixaria e encontre peixe do dia.

As propriedades e benefícios do atum são, essencialmente, protecção anti-inflamatória, proveniente dos ácidos gordos omega-3, responsáveis por benefícios cardiovasculares; propriedades antioxidante através do manganês, zinco e vitamina C; estudos comprovam a relação entre a ingestão de atum e a prevenção do cancro do aparelho digestivo, pâncreas e ovários; ajuda a diminuir o declínio cognitivo, ou seja, auxilia o funcionamento cerebral; é uma fonte rica de vitaminas do complexo B; e seu consumo está relacionado com a melhoria do humor, uma vez que os ácidos gordos presentes no atum interagem com a química cerebral envolvida no metabolismo da serotonina, responsável pelas sensações de “bem-estar e estar apaixonado”.

atum

Vamos aos frescos:

1kg lombo de atum (fresco/descongelado)
Sementes de sésamo q.b.
Sal fino q.b.
Pimenta preta q.b.
Azeite q.b.

Para o molho:

200g condimento de mostarda (sabor médio)
100g mel

DSC05031_Fotor

Preparo:

Cortar o lombo de atum em tiras menores, ou seja, bifes com cerca de 3cm x 6cm (este tamanho é meramente sugestivo, tal como é mostrado nas imagens)

Temperar os bifes de atum com sal, pimenta preta e passar sementes de sésamo à volta, de modo a que fiquem presas (como se estivesse a panar o atum).

Levar à frigideira com um fio de azeite e selar ligeiramente todos os lados do atum.

Cortar em fatias finas.

O acompanhamento que sugerimos para este prato é uma salada de rúcula, cebola roxa e tomate cherry, bem como outros ingredientes que você pode imaginar para dar cor e sabor a uma boa salada de verão.

Esta receita serve 4 pessoas.

Bom proveito e boas formas de verão com uma receita saborosa e saudável!

Também em Umbigo Magazine.

DSC05045_Fotor

Ceviche de Salmão e Manga

P1100800

Com calor e bom tempo o paladar pede alimentos frescos e saborosos. Por isso, trazemos uma receita tradicional peruana que consiste em peixe cru marinado: o ceviche. Pode tanto ser uma entrada ou um petisco servido com tostas, pão, ou tortilhas; ou um prato principal, desde que tenha um outro acompanhamento mais pesado.

O ceviche tem como ingrediente principal o peixe, ou seja, é uma boa forma de ingestão de proteína com baixo teor de gorduras saturadas e ricas em ácidos gordos ómega 3, importantes para a saúde cardiovascular.

Aproveitamos esta receita para desmistificar a afirmação de que bom peixe cru é aquele consumido fresco. Na verdade, por ser consumido cru, o correcto seria congelar previamente o peixe para eliminar parasitas. Deve também ser consumido rapidamente após a preparação, para reduzir as chances de crescimento bacteriano.

Trata-se de um prato rápido e fácil, em que os ingredientes são consumidos crus, bastando cortar, misturar, temperar e refrigerar.

P1100828

Ingredientes:

300g lombo de salmão
1 manga pequena (cerca de 340g)
60g cebola roxa (metade de uma cebola média)
40g tomate sem sementes (1 tomate pequeno)
100g pepino sem pele e sem sementes (1/2 unidade)
10g malagueta vermelha (1 unidade)
8g coentros
25g sumo de lima (sumo de 2 unidades)
Sal q.b.
Piripiri q.b (opcional)

P1100790

Preparação:

Cortar o salmão em cubos com cerca de 1cm. Reservar e colocar no frigorífico enquanto prepara-se os outros ingredientes.

Cortar a manga em cubos menores.

Os demais ingredientes, cebola, tomate, pepino, malagueta e coentros devem ser picados finamente.

Junte todos os ingredientes e por último tempere com o sumo de lima, sal e piripiri.

Deixe refrigerar por cerca de 20 minutos.

Sirva com tostas, pão, tortilhas ou paparis.

Bom proveito!

Esta receita está em Diários do Umbigo e no Facebook.

ceviche salmão e manga

Profiteroles com Brigadeiro de Manteiga de Amendoim

profiteroles

Doces! Sim, de perder a cabeça!

Já imaginou uma sobremesa com a combinação do chocolate, leite condensado e manteiga de amendoim? Uma delícia que criamos, recomendamos e aprovamos!

O verão está chegando ao fim e nada melhor do que aquecer com esses ingredientes. Trazemos hoje uma receita inovadora, criada por Daiane Lopes e Megan Melling.

Trata-se de uma receita relativamente simples. Porém, é feita em diferentes estágios. Primeiro, a massa. Em segundo lugar, o recheio de brigadeiro e manteiga de amendoim. Em terceiro, as natas batidas em chantilly. Por fim, comer!

2 foto

Para a massa:

250 ml água
125 g manteiga com sal
140 g farinha ( tipo 55 sem fermento)
250 g ovos (5 unidades)

Aquecer a água com a manteiga num tacho, em lume brando, até borbulhar lentamente.

Adicionar farinha e mexer com uma colher de madeira. Ao fim de 2 – 3 minutos a massa deverá ficar pastosa e descolar-se ligeiramente das paredes to tacho.

Transferir a mistura para uma taça e bater (com uma batedeira) durante 30 segundos, de forma a soltar o excesso de humidade.

Adicionar os ovos ainda com a batedeira em movimento, em 5 tempos (devem estar previamente batidos). A massa deverá estar coesa, elástica e húmida.

Deixar repousar sob película durante pelo menos 20 minutos.

Preparar um tabuleiro forrado com papel vegetal e um saco de pasteleiro com uma boquilha de 1 cm de diâmetro. Fazer bolas de 3 cm de diâmetro.

Aquecer o forno a 190ºC. Colocar o tabuleiro de profiteroles e baixar automaticamente para 175ºC. Cozer durante 25 minutos. Baixar novamente a temperatura para os 160ºC e cozinhar durante mais 10 minutos.

Retirar do forno e deixar arrefecer.

Rechear através de um pequeno furo no fundo da lateral do profiterole.

Para o recheio:

395 g de leite condensado (1 lata)
300 g de manteiga de amendoim
300 g de chocolate em barra
30 g de manteiga (2 colheres de sopa)
150 g de natas
60 g de açúcar (4 colheres de sopa)

Levar ao lume o leite condensado e a manteiga de amendoim até começar a ferver.

Em outro recipiente, aquecer o chocolate, a manteiga, as natas e o açúcar, até derreter completamente o chocolate.

Adicionar a mistura de chocolate no preparado de manteiga de amendoim. Mexer bem, até que a mistura fique homogénea.

Para o chantilly:

250 ml de natas para bater
20 g açúcar branco (1 colher de sopa)
15 g sumo de limão (1 colher de sopa)

Bater as natas, o açúcar e o limão até ganhar corpo.

3 foto

Preparo:

A partir daqui, basta rechear os profiteroles, ora com o creme de chocolate, ora com o chantilly, utilizando como topping o que não foi utilizado como recheio. Ou seja, quando no interior estiver chantilly, o topping deverá ser de creme de brigadeiro de manteiga de amendoim, e vice-versa. Pode decorar com amendoins torrados por cima, para dar crocância.

Existem ainda alternativas a este recheio que são oferecidas em Mel’s Vittles, nomeadamente de lima merengada para uma versão diferente, feita por Megan.

Esta receita, tem muitas vantagens. A massa pode ser armazenada crua congelada, bastando assar antes de ser recheada.

O recheio de brigadeiro de manteiga de amendoim pode ter inúmeras outras funções, tais como ser utilizado como cobertura em gelados, fondue com frutas, creme para barrar em pães, croissants, e recheio de bolachas e bombons.

Esta receita serve cerca de 45 unidades.

Também na Umbigo Magazine.

Muito sabor e muita criatividade à mesa!

Pavlova de Banana Assada

Pavlova Banana Assada

Mais uma edição de doces delícias da Irresistível Mistura. Mais uma vez, Daiane Lopes e Rodrigo Saturnino criaram uma receita de fazer suspirar. Uma sobremesa de dar água na boca, para além de ser muito fácil e rápida.

Pavlova é uma receita que o nome homenageia a dançarina russa Anna Pavlova. Trata-se de uma sobremesa feita essencialmente com merengue, que por fora obtém uma textura crocante e por dentro permanece macio e suave. Por cima é servida com natas batidas e frutas.

P1100513

Ingredientes:

250 g Banana (2 unidades grandes)
Açúcar mascavado
Canela em pó
160 g Claras de ovo (4 claras)
Sal q.b.
250 g Açúcar
Essência de baunilha (opcional)
10 g Amido de Milho (1 colher de sopa)
5 g Vinagre ou sumo de limão (1 colher de sopa)
200 g Natas (1 pacote)
30 g Açúcar

P1100511

Preparação:

Descascar as bananas e cortar ao comprido e ao meio.

Assar a banana polvilhada com açúcar mascavado e canela em pó, durante 30 minutos a 160ªC (temperatura média) ou até que fiquem douradas e um pouco crocantes.

Bater as claras em castelo com uma pitada de sal.

Quando estiverem firmes, acrescentar o açúcar.

A seguir juntar o amido de milho e continuar a bater.

Por fim, acrescentar o vinagre e bater até obter uma textura bem firme.

Umas gotas de essência de baunilha é opcional.

Pré-aquecer o forno a 160ºC.

Colocar a mistura sobre papel vegetal em uma forma rasa com ajuda de uma espátula, fazendo um formato circular.

Levar ao forno cerca de 50 minutos a 160ºC ou até que adquira uma cor dourada e textura estaladiça.

Bater as natas com o açúcar até ficarem firmes.

Cortar as bananas assadas em pequenos pedaços.

Depois que o merengue estiver arrefecido, colocar as natas por cima e decorar com os pedaços de banana.

Doces. Doçuras. Delícias!

Esta receita também está em Irresistível Mistura na Umbigo Magazine e na página do Facebook

P1100515

Pesto de Manjericão Roxo e Amendoim

PestoPesto é um molho italiano. Tradicionalmente, é feito com folhas de manjericão, pinhões, queijo parmesão, alho, sal, azeite virgem e pimenta.

Resolvemos arriscar uma receita de pesto alternando alguns ingredientes. Utilizamos manjericão roxo, amendoim e grana padano. O resultado não poderia ser melhor.

O manjericão roxo, assim como o manjericão (basílico) é uma espécie de basilicus. São caracterizados, essencialmente, por deixar os pratos com uma essência agradável e saborosa. São utilizados em massas, molhos, sopas, legumes, entre outros. Porém, o manjericão roxo possui folhas com um perfume delicado e são levemente picantes. Devido a sua delicadeza, pode ser consumido cru, em saladas, ou devem ser acrescentados ao pratos quentes no final da cozedura.

P1100060

Pesto à obra:

60 g manjericão roxo (ou basílico)
30 g amendoim torrado (com ou sem sal)
30 g grana padano (ou parmesão)
1 dente de alho assado (ou cru)
60 g de azeite extra virgem
Sal q.b.

Num processador de alimentos ou num almofariz (pode também ser numa bimby ou  num liquidificador), juntar todos os ingredientes: manjericão, amendoim, queijo, alho, azeite e sal.

Bater até obter uma textura pouco homogénea, pois é importante que se sinta a textura dos ingredientes.

Guardar num frasco bem fechado e sob refrigeração.

Utilizar em massas, pães, molhos, pizzas, tostas, etc.

Tratando-se de um tipo de manjericão mais invulgar e delicado, pode ser difícil encontrá-lo à venda. Esta receita adapta-se perfeitamente ao manjericão (basílico) que encontramos em supermercados e mercearias.

Esta receita foi elaborada em conjunto por Daiane Lopes e Megan Melling que tem o blog Mel’s Vittles onde é possível encontrar mais receitas. Confira!

Ao trocar o basílico por manjericão roxo, o parmesão por grana padano, e os pinhões por amendoim, descobrimos um sabor mais suave e aromatizado que certamente vai conquistar o seu paladar e de todos os convidados.

Esta receita também está disponível em Umbigo Magazine e na página do Facebook Irresistível Mistura.

Bom proveito!

P1100049

Licor de Chocolate

Licor Chocolate

Que tal chocolate para um doce sabor ao final da refeição? E que tal um licor como digestivo? Porque não juntar o melhor dos dois mundos: licor e chocolate? Sim!

Vamos aproveitar esses dias de inverno para aquecer com um licor saboroso e intenso.

Preparamos duas versões de licor de chocolate: a primeira é mais doce, menos intensa e bebe-se facilmente; a segunda é para os amantes de chocolate amargo, forte em cacau e e menos adocicado.

O chocolate interage com a química cerebral, aumentando a produção de feniletilamina, substância associada ao “sentir-se apaixonado”, o que explica a sensação de bem-estar após o seu consumo. Para além disso, o chocolate contém nutrientes que dão energia, melhoram o humor e previnem a insónia.

Poderá encontrar esta receita em Umbigo Magazine Irresistível Mistura na Página do Facebook.

Licor de Chocolate

Licor de Chocolate – Versão 1

200 ml água (a ferver)
100 g chocolate amargo (70% cacau)
100 g chocolate em pó
180 g açúcar amarelo
395 g leite condensado (1 lata)
200 ml whisky

P1100443

Licor de Chocolate –  Versão 2

200 ml água (a ferver)
150 g chocolate amargo (70% cacau)
100 g chocolate em pó
120 g açúcar amarelo
395 g leite condensado (1 lata)
220 ml whisky

Preparo

Numa tigela (preferencialmente de inox) colocar o chocolate amargo aos pedaços, o chocolate em pó e o açúcar.

Juntar a água a ferver e mexer com uma varinha de arames até dissolver bem os ingredientes (cerca de 5 minutos).

Juntar o leite condensado e whisky.

Misturar bem com a varinha de arames.

Guardar em recipiente próprio, tal como uma garrafa de vidro.

O licor terá uma textura espessa.

A história do chocolate remete à mitologia asteca. Reza a lenda que o deus(a) da Luz, Quetzalcoatl, roubou uma árvore de cacau da terra dos filhos do Sol, com o intuito de presentear os amigos homens, com um alimento chamado “delícia dos deuses”. Teoricamente, terá sido esta a razão pela qual o cacaueiro foi chamado Theobroma Cacao: Theo = deus; broma = alimento.

Previa-se que não se conhecia o chocolate até 1492, quando Cristóvão Colombo retornado triunfante das conquistas do Novo Mundo, apresentou à corte algumas sementes de cacau. Em 1519, quando os espanhóis iniciaram a conquista do México, os nativos ofereciam um alimento escuro, em forma de tabletes. Os astecas utilizavam os frutos do cacaueiro para preparar uma bebida fria e espumante.

Alguns estudos recentes afirmam haver vestígios de chocolate em vasos esculpidos em cerâmica, usados em cerimónias como casamentos e nascimentos, 500 anos antes do que se previa.

Os grãos de cacau chegaram à Europa através do conquistador espanhol Hernando Cortez. A bebida passou a ser servida aos nobres e também exercia a função de curar enfermidades. Os espanhóis alteraram o sabor do chocolate, ao invés de utilizar pimenta na bebida, como faziam os astecas, passarem a usar açúcar.

Em 1879 Daniel Peter e Henri Nestlé criaram o “chocolate ao leite”, aperfeiçoado por Rudolphe Lindt no mesmo ano, sendo esta a versão mais próxima do chocolate que é consumido actualmente.

Licor Chocolate

Carapau Assado com Salsa de Pimentos e Batatas com Cebolada de Cogumelos 

carapaus

Jantar com amigos ou almoço de família? Para ambas as ocasiões, uma mesa bem servida.

Porque a união não só faz a força, mas também aumenta a criatividade, os amigos Daiane Lopes e Rodrigo Saturnino juntaram-se para preparar esta refeição.

O carapau é um peixe muito abundante em Portugal. Em média medem de 25 a 40 cm e pesam entre 800 g e 1,5 Kg. Porém, podem atingir até 70 cm e pesar 4 Kg.

As principais propriedades deste peixe consistem em oferecer uma boa fonte de vitaminas do complexo B, vitamina A, proteína e ácidos gordos omega-3. Logo, colaboram com o funcionamento do sistema nervoso e do sistema de defesa, bem como na redução do risco de doenças do coração e vasos sanguíneos.

Pode encontrar esta receita em Diários do Umbigo – Irresistível Mistura e na página Irresistível Mistura no Facebook.

carapaus

Vamos servir 4 pessoas.

Mãos à refeição.

Peixe:

1 kg g carapau (cerca de 4 unidades)
Sal q.b.
Gengibre em pó q.b.
Orégãos q.b.

Salsa de Pimentos:

70 g cebola (1 unidade pequena)
50 g pimento verde (1/4 de uma unidade)
50 g pimento amarelo (1/4 de uma unidade)
80 g tomate (1 unidade pequena)
20 g coentros frescos
50 g azeite (5 colheres de sopa)
20 g vinagre (2 colheres de sopa)
Sal q.b.
Pimenta preta q.b.

Acompanhamento:

1 Kg batatas
800 g cebola
4 g alho (5 dentes)
Louro (2 folhas)
30 g (1/2 molho de coentros frescos)
Sal q.b.
Pimenta preta q.b.
Alecrim q.b.
380 g cogumelos

carapaus

Preparação:

Temperar os carapaus com sal, gengibre em pó e orégãos. Assar cerca de 30 minutos a 180ºC.

Picar em cubos pequenos a cebola, os pimentos, o tomate e os coentros.

Juntar azeite, vinagre, sal e pimenta.

Misturar bem os ingredientes.

Descascar as batatas, cortar aos cubos e cozer cerca de 10 minutos após iniciar a fervura.

Picar as cebolas e os alhos. Refogar em azeite, sal, louro, pimenta e alecrim.

Adicionar os cogumelos e refogar cerca de 10 minutos ou até que os cogumelos estejam cozidos.

Por último juntar os coentros e retificar os temperos.

Servir os carapaus com a salsa de pimentos e as batatas com a cebolada de cogumelos.

Bon Appétit!

carapau